quarta-feira, 28 de julho de 2010

Pensamos muito e pensamos em muitas inutilidades...


Eu tenho trocado emails deliciosos com o Bill Falcão, pois recentemente ele republicou um post meu e acabamos nos aproximando nos emails... Gosto quando posso conversar com um homem sem o tal interesse sexual (O Bill não é gay , ele é só bem casado... rs) . O papo corre legal, aberto e é uma oportunidade de conhecer melhor o universo masculino. Sem contar que o Bill é um cara fofo, sensato, aparenta maturidade... Enfim, tudo isso foi pra dizer que ele me propôs um tema em um de nossos emails e costumo tentar desenvolver sugestões que me são dadas...

O tema é o título do post, mas fiquei morta de medo de fazer um tipo de post que abomino, que é o post zen, de autoajuda... Então vou tentar não entrar nessa linha, me torçam a orelha se eu o fizer... rs

Vejam quantas coisas inúteis pensamos diariamente, coisas que corroem nossa vida, é como se sugassem nossas energias... Eu sou uma pensante compulsiva e percebo o quanto preencho minha vida com inutilidades, coisas totalmente dispensáveis, que poderiam dar lugar a algo melhor... Vamos listar algumas coisas:

- Raivas dirigidas a desafetos - Nossa se a gente parasse pra perceber o quanto faz mal pra quem sente e nenhuma diferença pro objeto da raiva, a gente não perderia tempo com isso... Por isso faz um tempo que adotei o lema, que uma comunidade do Orkut descreve bem: Até quero que você seja feliz, mas lá na #*%!#@, perto da casa do %¬¢$#@, filha da @¢*%$#¨@... Gente! Funciona que é uma beleza... rs

- Correr atrás de quem não quer a gente - Seja relacionamento amoroso, amizade, parente, vizinho, o padeiro, o mendigo da esquina, enfim, seja lá quem for. Se não te quer, não vale à pena perder tempo. Desista! Faça uma experiência e corte todos os canais com a pessoa, você vai se surpreender com a capacidade que o ser humano tem de se adaptar, inclusive se adaptar a ausência de alguém...

- Pense se passado um ano, aquilo que te preocupa hoje, continuará sendo importante na sua vida - Essa mensagem vi em algum desses programas toscos que passam à tarde nos canais da TV aberta, mas é uma verdade. O que parece terrível hoje, daqui um tempo você pode está dando risada daquilo...

Não teve jeito, o post ficou zen... rs... Mas fazêoque? Ninguém é perfeito, e um dia eu escreveria um post desses... rs... Mas é sério, gente! Muita coisa que antes me torrava a paciência, hoje nem ligo mais, nem por isso me tornei zen... Continuo a irritada de plantão, porque continuo me preocupando com besteiras, pior que sei que são besteiras e a consciência disso me irrita ainda mais... rs...

O Bill aconselha a meditação, que é o esvaziar da mente, para que coisas positivas possam tomar conta... Eu aconselho a terapia de atirar pratos na parede, já que não consigo meditar, minha mente é um vendaval... Mas podem ver que tem lá os três ítens acima que eu já melhorei. É o tal exercício diário... Cada um encontra a sua fórmula...

10 comentários:

VaneZa disse...

Bom... a minha terapia é gastar o dinheiro que não tenho... pior não pode ficar rs.

Quando você disse "a irritada de plantão"... me lembrei do dia que mostrei teu blog ao meu marido... ele disse:

"- Nossa! Ela escreve bem... mas como ela reclama!"

Precisa mais do que um post zen para você se tornar zen rs.

BeijoZzz

Bill Falcão disse...

Você entendeu bem minha sugestão, dama cinzenta! O espírito da coisa é esse mesmo. Nós pensamos demais, e boa parte do que pensamos não nos leva a nada. Viver nesse mundo cheio de injustiças faz com que queiramos resolver nossa vida e a vida de pessoas que queremos bem. Isso não é errado. O errado é a gente se meter numa série de confusões apenas porque pensamos mal, pensamos erradamente.

Imagine uma pessoa que, na hora de dormir, começa a pensar numa série de coisas que deve fazer no dia seguinte. Se essa pessoa der corda aos pensamentos, vai tentar resolver tudo naquele momento, na cama, quando o certo seria dormir, renovar as energias e fazer o que fosse necessário no dia seguinte.
Mas, quando chega o dia seguinte, estamos tão esgotados que não conseguimos nem pensar mais. E aí fazemos tudo errado!

Não acho que você fez um post zen. Post zen é quando a pessoa usa o blog pra dizer que tudo no mundo é uma maravilha, que tudo que nos acontece é pro nosso bem etc e tal.
Quem faz isso é o chato zen, aquele que não consegue ver nada de errado no mundo, o que não é o seu caso.

O que você fez foi enumerar algumas tolices que pensamos. Por isso, te falei da meditação, que "deleta pensamentos", mas apenas pra preservar nossa saúde mental, pra não bagunçar nosso emocional.

No mais, devemos estar sempre alertas contra as sacanagens que fazem contra nós. Não podemos nunca ficar com a atitude de pensar que tudo vai bem, pois não vai. Seu post é um alerta pra quem pensa que vivemos no melhor dos mundos. Não vivemos!
E um bjoooo!!!!

Rê Ura disse...

Olha, pensamento inúetis vivem na minha cabeça!
Mas comcordo com você esses pensamentos na maiorias das vezes fazem um mal terrível, cansa nossas mentes, nos estressa... Eu tô meio que TENTANDO aderir ao modo zen de vida.. principalmente com relação ao primeiro tópico de raiva á alheios... Parei de me torturar e ando seguindo o lema do vá ser feliz a pqp.. e bem longe de mim.. Acho que estou conseguindo viu.. E ando mais bem humorada e menos angústiada..

Beijos Dama!

rogerbsbfox disse...

Olá bom dia querida tudo bem com vc?
A pouco tempo passei a vim em seu blog e gostei muito do que li to pensando em fazer um blog igual o seu rs, eu sinto falta de pessoas para trocar e-mail antes até dava hoje em dia e complicado encontra na net uma amiga pra conversar serio mesmo e tmb até um amigo pq hoje em dia os homens alguns são bobos rs ne rs....abraço caso queira conversar comigo me escreve linda
fogbsb@yahoo.com.br

Andrea Pagano disse...

Dama eu gostei muito porque foi ligth e nos falou coisas realmente que acontecem e com fácil solução, não é mesmo?
Não achei zen não, tudo isso é bem maduro, porque precisa ter maturidade para saber a hora de parar,não é para qualquer um não!
Acho que esse post é para tentarmos relaxar memo!
Bjs

Juliana Mendes disse...

É, não existe isso de morrer por uma coisa durante toda sua vida...
É fácil botar nomes proibidos no celular..
É muito fácil parar de falar com a pessoa, excluir de tudo..
Mas é mais gostoso não falar com ela.. Não pedir explicação, fazer com que nada aconteceu, é gostoso ver que vc n se incomoda com a presença do ser.!
=D

Brazilianbloke disse...

Quanto aos testes eu até que resisto um pouco. :) Vou fazer esse teste do ciúme. Obrigado pela visita..

bjs

Celamar Maione disse...

Dama,
Penso demais. Aliás, o signo de gêmeos é : EU PENSO.
Acho que por isso que invento tanta história. Elas distraem meus pensamentos.
Penso muita merda. Nossa !!
Quero desviar meus pensamentos, mas daqui a pouco, uma distração e pronto..
Não consigo fazer meditação. Tenho grande dificuldade de concentração. Só me concentro quando escrevo. Daí ser necessário...
Meditar ?? Complicado. Não consigo.
Acho que atirar pratos é melhor. Ou quem sabe, gritar no alto de uma montanha. Natureza. Natureza sempre recupera as forças.
Adorei esse post. Não poderia deixar passar em branco.
Beijos !

Jean Valjean disse...

Olha, eu tenho sim o que falar, mas preciso lembrar de um fato. Eu volto. Quero voltar com o dito cujo na manga, pra botar aqui.
Abreijos!

Jean Valjean disse...

Voltei. "Pacta sunt servanda". Então: você me fez lembrar de um caso que, lá no trabalho, eu não queria escrever. Esperei chegar a minha casa para relatá-lo. Eu trabalhava num órgão público, e me apaixonei por uma moça que não queria absolutamente nada, nada mesmo, comigo. Sofri feito um cavalo açoitado, mas desencanei. Só que aqui eu resumi para você dois anos em uma frase.
Um belo dia, eu lá ainda, e já ajeitado na vida, namorando, a dita cuja me procura dizendo que aquele "velho sentimento"...
Bão, não rolou nada. Eu estava em outra, feliz, na minha.
Não tocou o terceiro sininho. Foi puro condicionamento. Resolvi, talvez, fechar o canal, como v. sugere. E deu certo, viu? O canal entupiu. Em relação a ela.
É isso. Mas que sofri, sofri.