sábado, 24 de maio de 2014

Sobre as coisas que não conseguimos aceitar...

Hoje me deu vontade de escrever sobre algo que não tenho aceitado muito bem. Daí me deu uma preguiça de entrar em polêmica. Sim, ando com muito pouca vontade para polêmica, nem pareço mais a mesma de outros tempos. Então resolvi escrever genericamente sobre o tal assunto, sobre como é difícil aceitar certas fases de nossa vida, ou acontecimentos, ou situação.

Quando a gente é bem jovem, nossa revolta contra o que não aceitamos é imensa, achamos que podemos mudar o mundo e as pessoas. Conforme os anos vão passando, a gente vai vendo que a vida é do jeito que é, o mundo também e quanto mais a gente espernear, pior a coisa fica. Daí vamos envelhecendo e aceitando que existem muitas coisas na vida que simplesmente a gente não gosta, mas tem que aceitar. Muitas delas sabemos que podemos mudar, mas não é dessas que estou falando, mas, sim, das que definitivamente olhamos e aquilo não desce de jeito nenhum e mesmo assim a gente precisa assimilar que é um fato na nossa vida.

A maturidade ajuda muito na aceitação, mas por outro lado o fato de envelhecer traz novas questões tão difíceis quanto as da juventude. Sei que falando assim parece que tenho 80 anos, mas não, estou simplesmente na adolescência da velhice, que é a faixa dos 50, onde você é novo para ser idoso e  velho para ser jovem, ou seja, você não sabe o que é, exatamente como na adolescência e fica tentando se redescobrir.

Tenho batalhado muito com questões que não ando aceitando bem e sinto que isso está minando a minha vida. Me tornei mais reclusa do que sou, mas sem vontade para tudo do que já estive um dia. Meu nível de ansiedade subiu demais nos últimos tempos. Estava até conversando dia desses com uma amiga no Face e dizendo que mesmo quando estou parada vendo TV, estou mega ansiosa como se algo terrível fosse acontecer. Sei que tudo isso é fruto dessas questões mal resolvidas. Às vezes me sinto como se tivesse caindo num buraco muito fundo de onde não sairei e também ninguém entrará e ficarei ali para todo o sempre sozinha. Mas claro que isso é só como me sinto, não como, em realidade, as coisas estão.

Seja como for ainda sou uma pessoa com esperanças e com vontade de lutar. Se em algum momento me redescobrir, ou desvendar novos caminhos, estarei pronta para sair dessa fase estranha que me acompanha faz tempo.

12 comentários:

Paulo Roberto Figueiredo Braccini . Bratz disse...

Eu tão maduro q já estou quase caindo ... rs ... gosto disto e não reclamo ... ficamos mais críticos, perceptivos, seletivos e isto é bom ...

Mônica C. disse...

Estou na faixa dos 30, mas também me sinto desse jeito, ansiosa além do habitual (que já era demais), oprimida pelo peso de tantas coisas e pessoas que não dá mesmo pra mudar... É verdade: na adolescência a gente acredita que pode fazer qualquer coisa, matar qualquer monstro, mas depois vai vendo que a maioria de nossos esforços é só murro em ponta de faca. Talvez a solução seja baixar ainda mais as expectativas, não esperar mais nada de ninguém, ou esperar só o pior, sei lá... A razão me manda agir assim, mas o coração sabe que esse tipo de pensamento só aumenta a amargura. Enfim, os tempos são difíceis...

Ro Fers disse...

Ansiedade é um probleminha cruel...
Queria eu, não sofrer de ansiedade.
Beijon!

Douglas S.M disse...

Balançando a cabeça aqui.

Ed Soares disse...

Acredito que uma das questões, da não aceitação, é quando não queremos, de forma alguma aceitar que outro tenha opinião!

As vezes, alguém dá uma opinião e não aceitamos como certa no momento. Embora depois tenhamos que reconhecer que erramos.

Mas o orgulho nos mata.

Tem uma pessoa online que passei à citar coisas para a mesma desejando que ela se abrisse, sem medos e sem receios. Mas, aconteceu o contrário. Além dela continuar em seu mundinho, passou à não me atender aos pedidos, e ainda por cima, até no face (éramos contatos nessa rede social) ela me bloqueou.

As coisas mudam! Todos os dias em nossa vida.

Um dia teremos que reconhecer que somos humanos, e que erramos, no entanto, para nos levantar, necessitamos de outro ou outros.

A auto suficiência torna-se insuficiência quando o orgulho nos domina.

Não nos permitamos cegar com nosso egoísmo.

Tenhamos todos uma ótima tarde de domingo!

Patricia Romanato disse...

Eu sei bem o que é isso. Tem coisas que não dá para mudar e eu não consigo aceitar. Nem com maturidade.
Tem horas que não sei o que fazer.
Bjs

Dernier Évolo disse...

Espero que nao desista da alegria de viver e deixe todo esse sentimento cinza de lado a vida é bela.

Renatx Fênix disse...

Ah querida dama, nossa vida é cheia de altos e baixos, há algumas fases que são ruins que parece que nunca vão passar, mas depois voltamos com mais força, que sua fase ruim passe logo.

Israel Freitas Silva disse...

Me sinto as vezes assim querida. Inquieto e revoltado com coisas que não tem como mudar. É verdade que na juventude temos gana por mudanças, e lutamos muitas vezes em vão. A vida nos ensina que ela as vezes é autoritária e tem que ser do jeito que ela quer. É simples assim. Beijos!

Dentro da Bolha disse...

a maturidade, a esperança e a paciência caminham juntas...

dentrodabolh.blogspot.com

Madi Muller disse...

Tô pertinho dos 50(estou com 48)e tb me pego pensando nisso...não chego a conclusão alguma,mas continuo matutando...acho que todo mundo,em algum momento de sua vida, precisa se confrontar com algumas questões existenciais,afinal,tudo passa tão rápido...

Concurseira ansiosa disse...

É verdade! qdo adolescente achamos que podemos mudar o mundo e todas as pessoas. Atualmente, as vezes tb me pego agindo assim, não consigo aceitar aquilo que eu acho errado, mas ai vc percebe que certas coisas não mudarão, nós é que temos que mudar (ou aceitar, ignorar) e tentar ser feliz!
Nossa são tantas questões para lidar! Estou nesta fase de tentar aceitar/ignorar o que não posso mudar, mas uma coisa que ainda não consgui e pretendo não fazer, é mudar os meus valores. Posso não reclamar mais daquilo, mas pra mim, eternamente será errado, até que se prove o contrário! (clro que não generalizando, estou pensando em algo especifico, rs)

Bjsssssss